11 abril 2011

Vidas.


Eu sempre soube os riscos que o mundo tem, mas nunca deixei de sorrir por toda manhã que abria os olhos. Cada dia era um novo dia, e eu vivia em função de acreditar que iria crescer e poder ser feliz.
Mas a vida é mesmo injusta.. Parecia que eu tinha acordado mais feliz, e logo a injustiça sobe pelos andares da minha vida e começa a nos acertar no peito, no coração, bem na cabeça.. porque?

Olhe bem, meu caro, eu fechei os olhos muito rápido e não pude ver muito bem como foi, mas eu sei que foi doloroso, um mar de sangue.

Vou trocar o "Eu" por "Nós", porque nós estamos no aconchego do Pai, e foi difícil, mas por tudo o que a injustiça nos fez, fomos obrigados á deixá-la cair no inferno.. foram doze corações que deixaram de bater!

Deus, nós não queriamos partir tão cedo, mas o que podemos fazer se o Universo está aspirando a maldade, e nenhum de nossos irmãos amam mais uns aos outros?

Só peço que não nos abandone.. que cuide bem de quem ficou, acho que já é terde demais para acreditar que ainda há de existir o amor verdadeiro, a paz, e a vida.

Mas por favor, não desanimem, ainda pode nascer a esperança, e junto com ela, a mudança.

Paz, Paz, Paz, Paz, Paz!!!

  • Ana Carolina Pachecho da Silva
  • Bianca Rocha Tavares
  • Géssica Guedes Pereira
  • Karine Lorraine Chagas de Oliveira
  • Larissa Dos Santos Atanázio
  • Laryssa Silva Martins
  • Luiza Paula da Silveira
  • Mariana Rocha de Souza
  • Milena dos Santos Nascimento
  • Rafael Pereira da Silva
  • Samira Pires Ribeiro
  • Igor Moraes






Eu sei que vocês não mereciam, e, eu senti muito por cada um.. Parece que eu conhecia vocês. Senti como dia em que eu chorei a morte do meu pai. Eu sei que pra família de vocês é quase impossível seguir, mas "ele", ao mesmo tempo em que abraça e aconchega vocês, dá força e coragem á eles.

Sem querer te derrubar, Mundo. Mas essa é a terceira ou quarta tragédia que acontece, e a culpa é sua. Viu que injustiça?

A arma está na mão do Homem, e é o Mundo que sangra. A arma também foi um presente de Deus, mas o Homeme seu fanatismo irracional não aprenderam ainda a manuseá-la.

Deus, salve nossas almas, e nos devolva á nossa essência!

Amém.

02 abril 2011

Crimes

Eu me pauso por um instante em certo dia, que são quase todos.. em certo momento no qual tenho tempo para fazer isso: no fim do dia.

Por um triz é noite, noite me dá arrepios dos pés até o último fio de cabelo, por que me lembra momentos, me lembra pessoas que vão-e-vem, me lembra saudade, e o quanto mudei, ou penso que mudei, não é mesmo?!

Bem, eu continuo sendo a mesma pessoa, que pensa as mesmas coisas, sobre as mesmas pessoas.. o problema é que eu cresci em muitos de meus poucos aspectos, e, você não me conhece mais. Nem você, nem ninguém.

Logo continuo pensando e pensando, e me vem a imagem perfeita, do amor perfeito que eu sempre quis, mas tenho a convicção tão envenenada que o matei; Ele morreu porque eu decidi: "Morre."
Ele morreu não só por minha ordem, mas ele se deixou morrer porque já não sabia mais se vivia ou se morria, então cheguei á conclusão de que, matá-lo seria o correto, e não haveria dor.

Bem, acho que acertei.

Mas o problema é a noite, os faróis, os carros no trânsito, o frio, as conversas sem fim em qualquer lugar, e avenidas para atravessar muitos flertes..

Nada dói hoje.. me chamem de desvirtuada por matar e sentir falta. Pra ser sincera, eu não me importo, só sinto.

Ele sabia sorrir com os olhos mesmo tendo um sorriso perfeito, e ninguém mais sabe fazer isso!
Na noite, eu quase sinto braços em volta do meu corpo, me apertando bem forte, perguntando o que eu tenho; Se estou brava.. e, se eu não soubesse que era mentira, quase responderia que não, mas era mentira, e eu sabia. Então me vem aquela dor do lado esquerdo, o olho fica apertado e cheio d'água, quase transbordando.

Mas eu respiro fundo.. prosseguir, prosseguir, tenho que prosseguir por quê o amor que eu matei, á essa hora, já deve ter se convertido em pó, e se misturado á qualquer areia que já pisamos juntos.

Nada de lágrimas. É o ciclo da vida, da forma que tem que ser! Já já clareia e vou ser feliz de novo. Sem carregar a culpa dos meus crimes.

Por todas essas noites é que me sinto mais forte sozinha, sem novas ilusões, sem novos amores... e sem novos crimes.